O cozinheiro
sábado, janeiro 28, 2006
  Regressei!!!
Quase dois anos e meio depois de ter deixado o blog para ir aprender música, O Cozinheiro propõe-se regressar à blogosfera com novas histórias com receita dentro. Mas também com cor e som para alegrar a sua cozinha internética. Os petiscos começarão a ser servidos dentro de momentos...
 
domingo, outubro 19, 2003
  O cozinheiro foi aprender música: oiçam!

 
sexta-feira, setembro 05, 2003
  Santo António de Goa

As finas pernas de José bailavam descontraídas dentro de uns calções azuis escuros. Satisfeito, afagou o farto bigode. Já regara a horta e começara a pôr as mesas. Tinha de convencer os hóspedes a ingerir, além do pequeno almoço, pelo menos uma das refeições principais. Esmerar-se-ia na aquisição da melhor matéria-prima no mercado de Canacona. Não seria difícil à mulher da casa conquistá-los pelo palato — Maria era na cozinha mais milagreira que Santo António no altar de azulejos verdes, brancos, azuis e cor-de-rosa. 

Chovia e Maria já podia levar o santo para dentro, juntamente com o cravo vermelho e as velas. Na casa, o dia de trabalho entrara em velocidade de cruzeiro quando os nossos sapatos deixaram as marcas do aguaceiro matinal no caminho de terra batida.

José cumprimentou-nos com um sorriso e explicou o fenómeno atmosférico ocorrido em plena época seca.

— Foi o Santo António que fez chover, disse, com a determinação de um homem de fé inabalável. E contou: se precisa de chuva para a sua horta, situada nas traseiras da casa, leva o santo para fora da casa. Coloca-o sobre o altar, acende umas velas, reza uma oração. O milagre é quase instantâneo. Daí a um bocado, está a chover. 

— Quando as minhas plantas têm água que chegue, levo-o outra vez para dentro.

Incrédulo, cocei a cabeça. Teria percebido bem? É que o inglês do indiano católico, apostólico e romano estava ao nível da minha capacidade de raciocinar antes do primeiro café e do primeiro cigarro do dia. Mas José garantia que funcionava sempre. E nós a acreditar nas suas palavras, como acreditaramos na véspera ter chegado ao Paraíso, a uma praia coberta de coqueiros até à água, sob os quais se erguiam cabanas de pescadores. Ali havia pirogas a descansar na areia e porcos, de raça pequena, escura e peluda, a ir ao banho. A Rosa suspirou e, com um sorriso nos lábios, disse: 

— Era assim que imaginava Goa.

Em Novembro de 2000, Palolem ainda era um paraíso. Um paraíso com pay phone, e-mail e Internet, com Maria e José de anfitriões numa casa em que Santo António fazia milagres.

José serviu-nos o pequeno almoço, sentou-se connosco a conversar. Seduziu-nos descaradamente. O dono da casa não só ostentava um nome muito português — José João Baptista Rebello — como, de vez em quando, se lembrava de uma palavra portuguesa. Tinha sido um dos poucos goeses a frequentar uma escola portuguesa (no seu caso, até à antiga 3.ª classe), no final da década de 50 e início de 60. Em 1961, quando as tropas da União Indiana puseram fim à «Índia portuguesa», já os números desmentiam a propaganda «lusotropicalista» do Estado Novo: havia mais goeses a aprender Inglês do que Português.

— Bom dia! Boa tarde! Boa noite!, exclamava em rajada e ria.

— Gato, cão, vaca, carro, mulher, homem...

O vocabulário português começou por lhe sair aos solavancos. Mas rapidamente se transformou numa torrente de vocábulos soltos. A nossa presença refrescava-lhe a memória. E ele divertia-se com um chorrilho de palavras há muito esquecidas e silenciadas.

— Cama, cadeira, mesa, arroz... jantar!

Acanhada e silenciosa, sem falar Inglês e muito menos Português— só o konkani local e, presumo, hindi — Maria expressava-se, quase que numa antítese de si própria, através de fogosos sabores. As vacas mais sagradas de toda a Índia eram as que punha no prato dos clientes. Passando pelas suas mãos, a mais dura das galinhas (mais cara do que o mais macio dos bovinos) tornava-se irresistível.

José servia de intérprete:

 — Cabrito? Atum? Tubarão?

A cozinha de Maria era um livro aberto, sem segredos escondidos no bolso do avental. Quando, certa noite, eu quis saber como fizera o caril verde, não apontou a receita num papel nem prescreveu quantidades. Porque o que importa são os ingredientes. O resto nasce da intuição do artista, do seu gosto e da delicadeza do gesto do seu pulso. Há mestres que nada ensinam, mas tudo transmitem em silêncio. Só quem intui apreende o ensinamento.

Sorridente, trouxe um prato de inox para a nossa mesa. O metal frio reflectia cores quentes e expunha uma malagueta verde, um dente de alho, um montinho de curcuma moída e outro de cominhos, três cravinhos, uma raiz de gengibre e um pouco de sal grosso. Tudo disposto de forma  muito cuidada e ordenada. Havia mesmo algo de estético naquilo.

A confecção, prometeu, é bastante simples: faz-se um refogado de cebola e tomate, ao qual se adiciona a carne ou o peixe. Acrescentam-se as especiarias. E deixa-se cozer sem largar o tacho de vista porque não convém deixar secar o massala (molho).

Para não ficarem a pensar tudo o que acabam de ler é pura ficção, se um dia passarem por Palolem perguntem à Maria e ao José pelo Santo António, e dêem cumprimentos da Rosa. Aqui têm os contactos:

 

Maria

Bar & Restaurant

with food & beverage

pay phone e-mail & internet

rooms to let — bike & taxi for hire

Ourem Palolem Beach

Canacona

Goa (India)

(0832) 643732

 

No regresso escrevam ao Cozinheiro e contem como está Paraíso.

 
Ó subalimentados do sonho, a poesia é para comer!
Natália Correia

Posts mais frescos

Outras iguarias d'O Cozinheiro

Fragal

Lisboa

Paragens

A bicicleta dos dias ímpares

A vida é larga

Baixa-Shiatsu

GLLOSS

Mais actual bate mais forte 

Ora blogues

Rain Song

Um bigo meu

Tradução Simultânea


Outras blogosferas

   
Outras cozinhas...

Anthony Bourdain

Petiscos

Gastronomia

Atravessando o Atlântico
 
... e adegas

Vinhos online

Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

Vinhos do Alentejo

Dão


Curiosidades

Nobody here
   

Frigorífico
Julho 06, 2003 / Julho 13, 2003 / Julho 27, 2003 / Agosto 03, 2003 / Agosto 10, 2003 / Agosto 31, 2003 / Outubro 19, 2003 / Janeiro 22, 2006 /


Powered by Blogger